Bem-vindos ao blog da revista Angola'in!

Uma publicação dirigida a todos os angolanos, que pretende ser o elo de ligação da lusofonia. Queremos que este espaço seja mais um meio de contacto com os nossos leitores e todos aqueles que têm ligações a este país. O nosso objectivo é estarmos próximos de si e, com isso, esperamos acolher a sua simpatia e a sua opinião, como forma de enriquecer o nosso trabalho. O seu feedback é uma mais-valia, um estímulo para continuarmos a desenvolver um projecto inteiramente dedicado a si!

Angola'in à venda em Portugal e Angola

Angola'in à venda em Portugal e Angola
A 1ª edição 2012 da Angola'in é pura sedução! Disponível em Angola e Portugal, a revista marca o seu regresso ao bom estilo das divas: com muito glamour e beleza. Uma aposta Comunicare que reserva grandes surpresas para os seus leitores

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Estratégia


África e China auguram parceria portuária dinâmica

Representantes africanos e da República Popular da China ligados à gestão portuária reuniram-se, recentemente, na cidade de Longkou, província de Shandong, com vista a traçar estratégias que dinamizem a cooperação comercial e tecnológica, neste sector.

Na ocasião, sublinharam a necessidade do incremento do investimento, do comércio, da cooperação bilateral e multilateral na busca de mecanismos tendentes a reduzir os custos de importação e exportação, face à crise económica e financeira internacional que grassa o mundo.

Neste sentido, as partes, auguraram um caminho que conduza ao estabelecimento de alianças e estratégias de desenvolvimento entre o Porto de Longkou e os portos de países africanos na base de uma cooperação profunda e vantajosa.

Por outro lado, frisaram a urgente criação de infra-estruturas logísticas e de aprovisionamento em portos de ambas as partes capazes de dar suporte ao volume das importações e exportações de bens e serviços.

O director geral do Porto de Longkou, Meng Xianggang, apelou aos representantes africanos, em particular aos de Angola, no sentido de trabalhar afincadamente neste sector que, segundo disse, “ o momento é crucial” a julgar pela amizade e alto nível de cooperação que se vive, caracterizado pelo clima de estabilidade política e social.

Por seu turno, o primeiro-secretário da Embaixada de Angola em Beijing, Manimo Simão Mansogi , em representação do embaixador João Manuel Bernardo, aproveitou a ocasião para manifestar o interesse que o país dedica à cooperação portuária com a República Popular da China no quadro da reconstrução nacional. Referiu que desde o fim do conflito armado, em 2002, e da restauração da paz, o país vem conhecendo um rápido crescimento económico observando, não obstante, que Angola necessita de trabalhar na senda de infra-estruturas logísticas e reforçar os níveis de cooperação institucional implementando projectos que promovam o desenvolvimento sustentável e de investimentos no país.

Salientou ainda que, a estabilidade política e social que se vive, permite a República Popular da China manter Angola como o maior parceiro estratégico em África, tendo indicado que no ano transacto, o volume de negócios entre os dois países atingiu os 25,3 biliões de dólares, graças a implementação do Plano de Acção de Cooperação bilateral.

O evento culminou com a assinatura de um memorando de intenção para uma parceria estratégica entre a África e a República Popular da China.


Segurança

Recolhidas mais de 60 mil armas ilegais


Sessenta e sete mil armas foram já recolhidas, em todo o país, no âmbito do processo de desarmamento dos cidadãos em posse ilegal de armas, registando-se, em função disso, uma redução substancial numa proporção de 10 para quatro crimes cometidos com armas de fogo.





A informação foi prestada hoje pelo segundo comandante-geral da Polícia Nacional, comissário-chefe Paulo de Almeida, em entrevista exclusiva à Angop, por ocasião da Semana Mundial do Desarmamento, comemorada anualmente de 24 a 31 de Outubro, coincidindo com o aniversário da fundação da ONU (24 de Outubro de 1945). "Estas cifras são animadoras e positivas, mas continuamos a registar ainda a entrega de armas por parte dos cidadãos", esclareceu, adiantando que "há uma redução substancial, o que nos leva a crer que são os efeitos da recolha de armas que o processo está a desencadear".

A corporação pretende centralizar as suas atenções aos grupos de marginais que detém armas em sua posse para o cometimento de crimes. "Não é um grupo bastante grande, mas os efeitos das acções que praticam é que são significativas e de certa forma repugnantes".

Contudo, a fonte da Angop disse que o programa de desarmamento está a ser um sucesso, fazendo uma análise comparativa em relação aos países que passaram por processos semelhantes. "Visitamos o Brasil, Namíba, Moçambique e, comparativamente a estes países, estamos num bom caminho, portanto, os processos são quase semelhantes, muito embora uns tivessem enveredado pela via de estímulos", sublinhou. Entretanto, na óptica do responsável policial, as organizações não governamentais, autoridades tradicionais, eclesiásticas, entre outras, devem desempenhar um papel mais activo na sensibilização dos cidadãos sobre os perigos da guarda de uma arma de fogo. "A posse ilegal desse instrumento (arma) em nada contribui para a consolidação da paz e tranquilidade públicas", reiterou.

Segundo o comissário-chefe Paulo de Almeida, que coordena a sub-comissão técnica para o desarmamento dos cidadãos em posse ilegal de armas, as províncias de Luanda, Huíla, Moxico, Kuando Kubango e Huambo foram as que mais se destacaram na entrega voluntária dos artefactos.

Em Angola o desarmamento dos cidadãos em posse ilegal de armas de fogo teve início em Maio de 2008 e compreende quatro fases, nomeadamente a de "Organização e Sensibilização", "Entrega voluntária", "Recolha coerciva" e a de "Controlo".


Cooperação


Forças Armadas apoiam militares guineenses



As Forças Armadas de Angola vão apoiar a congénere da Guiné-Bissau na formação de quadros, recuperação de equipamentos e ainda na produção da legislação militar, revelou hoje o Chefe das Forças Armadas angolanas, general Francisco Furtado.

Em declarações a imprensa após ter chegado a Bissau, onde iniciou uma visita oficial de três dias, o general Francisco Furtado afirmou que Angola pretende transmitir à Guiné-Bissau "a sua longa experiência" no domínio militar, pelo que tenciona ajudar na formação de quadros, recuperação e manutenção de equipamentos e produção legislativa.

Técnicos militares angolanos que acompanham o general Francisco Furtado iniciam ainda hoje visitas às diferentes unidas militares na capital guineense com o objectivo de constatar o estado das casernas e dos meios técnicos.

Os quartéis da Brigada Mecanizada, Artilharia Terrestre, Base Naval e Base Aérea são os locais a visitar pelos técnicos do exército angolano.

Sobre o facto de a sua vinda à Bissau ter sido várias vezes anunciada e adiada, o Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas de Angola destacou que desde Março passado que devia visitar a Guiné-Bissau.

"Esta é uma visita que está adiada desde Março, é uma visita que nós já tínhamos programado para o mês de Março, mas que devido aos tristes acontecimentos que tiveram lugar aqui na Guiné-Bissau, adiamos para esta altura porque pensamos estarem reunidas as condições", afirmou.

Segundo o general Francisco Furtado, com a realização das eleições presidenciais na Guiné-Bissau agora estão criadas as condições para a concretização de um conjunto de intenções assumidas pelos os responsáveis dos dois exércitos.

De ponto de vista pessoal, Francisco Furtado afirmou que a visita à Guiné-Bissau "tem um significado especial" por ser a primeira que faz ao país na sua qualidade de Chefe das Forças Armadas angolanas.

Furtado lembrou que visitou a Guiné-Bissau em 1980 na altura ainda na qualidade de oficial subalterno das FAA. "Já tenho experiência e conhecimento com outros camaradas aqui, portanto existem laços de camaradagem, de amizade e de irmandade com vários camaradas aqui das Forças Armadas da Guiné-Bissau", explicou o general Francisco Furtado que deve regressar à Luanda no Sábado.

Banca

Mais investidores locais no capital social do BES Angola até final do ano


O Banco Espírito Santo Angola (BESA) deverá ter novos accionistas instituicionais angolanos no seu capital até final deste ano, admitiu hoje à agência portuguesa Lusa o presidente desta instituição financeira, Álvaro Sobrinho.

"Há intenções e interesse de ambas as partes e por isso até final do ano pode haver novidades", disse Álvaro Sobrinho, referindo-se ao reforço até 49 por cento do capital social de investidores angolanos no capital do banco, maioritariamente detido pelo Banco Espírito Santo (BES).

O BES Angola já tem 20 por cento do capital em mãos de investidores angolanos, mas "há toda a abertura por parte do BES para vender mais, como tem sido referido pelo próprio presidente (da Comissão Executiva do BES) Ricardo Salgado", salientou Álvaro Sobrinho.

A mesma fonte referiu que não há um prazo limite, mas havendo interesse de ambas as partes "até final do ano pode haver novidades".

Economia


Investimento privado aumentou



O investimento privado em Angola até Setembro último foi superior ao realizado em igual período de 2008, com a aprovação de 443 propostas de investimento, anunciou o presidente da Agência de Investimento Privado de Angola.
Segundo Aguinaldo Jaime, foram aprovados pelo organismo a que preside projectos de investimento num valor global superior a 1,377 mil milhões de dólares (927 milhões de euros), no período de Janeiro até 30 de Setembro, o que representa um aumento face aos pouco mais de mil milhões de dólares atingidos em igual período de 2008.
Quanto à origem geográfica do investimento, são portugueses 40 por cento do total dos projectos, ou seja 179, com uma intenção de investimento a rondar os 209,45 milhões de dólares (141 milhões de euros).
Estes números reflectem apenas as iniciativas de investidores registados na Agência de Investimento Privado de Angola, por onde não passam também os investimentos nos sectores do petróleo e financeiro, razão que leva o responsável angolano a afirmar que está a dar frutos a politica de incentivos do Governo para a diversificação dos investimentos.
Indústria transformadora, com 36 por cento do número de projectos, construção, com 22 por cento, e agricultura, com 27 por cento, "são hoje sectores que atraem muito do investimento privado em Angola", referiu Aguinaldo Jaime.
Além de Luanda, há entre os 443 projectos aprovados dezenas destinados a outras províncias, como Malange, por exemplo com 26 projectos, Benguela, Cabinda e Lubango, entre outras. "Os investidores começam a acreditar em Angola como um todo e como alternativa segura para os seus investimentos", considerou Aguinaldo Jaime que falava num seminário com o tema "exportar e investir em Angola" no âmbito da conferência "Portugal Exportador".
O mesmo responsável deixou também um alerta sobre a vigência de um quadro legal que os investidores "devem respeitar", sustentando que "não há razões para a informalidade", aludindo à actividade da economia informal.




quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Política

Diplomacia angolana em franca afirmação mundial



O embaixador angolano Luís Neto Kiambata afirmou, em Luanda, que a diplomacia angolana está em franca afirmação no contexto mundial, marcada pela mediação de conflitos no continente africano.



Em entrevista à Angop, o também analista político, referiu que a partir do momento que o país alcançou a paz, sem a intervenção de intermediários, abriu caminho para que fosse vista como uma solução à mediação de conflitos em África. “Os angolanos deram uma excelente lição ao mundo, quando alcançaram à paz. A partir desta altura, o ocidente passou a ter no país como uma óptima viabilidade para ajudar na resolução de conflitos ao nível do continente africano”, reforçou. Devido ao clima de paz, harmonia e de desenvolvimento, os angolanos são vistos como um exemplo a seguir, explicou a fonte, assegurando que existem muitas "matérias em que Angola hoje é chamada a dar a sua opinião”.
O responsável enalteceu o contributo do Presidente da República, que "já deu mostras de ser um excelente negociador. Lutou pelo alcance da paz e agora está a fazer o mesmo para a melhoria das condições de vida dos angolanos”. Relativamente à participação na Cimeira do G-8, Luís Neto Kiambata avançou ser apenas a primeira, vaticinando que muito brevemente o país ainda será chamado a dar o seu contributo em outros fóruns mundiais.

Diplomacia

Relações políticas e diplomáticas com República Checa consideradas "óptimas"



O embaixador da República Checa em Angola, Vladimír Války, considerou hoje que as relações entre Angola e o seu país são "excelentes, baseadas na cooperação multilateral e no desenvolvimento de vários acordos".



O diplomata admitiu, em declarações à Angop, que as relações diplomáticas entre os dois países tiveram início em 1975 e foram baseadas essencialmente no domínio ideológico do marxismo leninismo, sistema político que ambos faziam parte naquela altura. "As relações desenvolvidas entre os dois países naquela altura tinham mais como objectivo estreitar os vínculos diplomáticos, uma vez que vigorava o mesmo sistema político", referiu o embaixador checo em Angola. "Era uma forma de se tornarem mais próximos e unidos, com vista a responderem pelos mesmos interesses,” frisou.
Vladimír Války acrescentou que actualmente as relações com Angola são baseadas na cooperação multilateral, onde já foram realizados diversos acordos no domínio da Educação, Agricultura e Comércio.
O diplomata afirmou que o seu país tem apostado mais no domínio da educação e agricultura, por ser as áreas que tem notado mais deficiências no país. Observou que o seu Governo tem actuado mais na província do Bié, onde prevê a construção de escolas de formação profissional nas comunas distantes. "Optamos por investir nessa província por ser uma das que mais sofreu com a guerra, muitas crianças que vivem em comunas distantes têm inúmeras dificuldades para deslocarem à escola", destacou.

Tecnologia


Windows 7 apresentado em Angola



A empresa angolana Arena Angola está a preparar a apresentação do oficial do Windows 7, um novo sistema operativo para instalação em computadores, que vem inovar o actual Windows XP.
De acordo com uma nota da empresa, o Windows 7, apresentado mundialmente esta semana, é a mais recente versão do popular sistema operativo Windows da Microsoft e anunciado pela entidade como a melhor alguma vez distribuída pela companhia.
O Windows 7 está disponível em 14 línguas, dentre as quais o Português, sendo que, mais 19 idiomas serão acrescentadas até 31 de Outubro. A Microsoft adianta ainda que está a trabalhar para assegurar que este sistema esteja disponível em África dentro de 18 a 24 meses. Já a empresa angolana afirma através da nota divulgada que
“a entrada em uso deste novo sistema operativo em todo o mundo resulta de testes feitos em oito milhões de pessoas, através da versão beta (uma versão de avaliação), incluindo utilizadores do Windows de todo o continente africano.”
A Arena Angola é empresa de direito angolano, que actua nas áreas do marketing, publicidade e relações públicas.

Distinção

Programa de luta contra pobreza recebe prémio regional




O Programa de Luta Contra a Pobreza Urbana (LUPP), recebe hoje em Joanesburgo, África do Sul, o prémio regional Drivers of Change (Condutores de Mudanças) 2009, na categoria de especialidade da sociedade. O comunicado de imprensa da organização a que a Angop teve acesso refere ainda que o LUPP foi seleccionado como um dos três finalistas do prémio, que tem como objectivo reconhecer indivíduos e organizações, que têm sobressaído em toda a região da África Austral na promoção e desenvolvimento de políticas públicas e estratégias inovadoras com impacto na luta contra a pobreza, através de novas parcerias entre diferentes actores sociais.
Os prémios têm como finalidade inspirar muitas outras pessoas das instituições governamentais, dos negócios e das organizações cívicas a cooperarem em novas abordagens para se vencer a pobreza na África do Austral. Os galardões exibem exemplos vivos de práticas inovadoras, atitudes inclusivas e processos efectivos que constroem confiança social de forma a criar outras condições que contribuem na redução da pobreza de forma duradoura para as pessoas que vivem nesta situação na região.



Os prémios Drivers of Change são dados anualmente pela Southern Africa Trust (STA) em parceria com o jornal Mail Guardian e é distribuído em treze países da África Austral. Recorde-se que a STA é uma agência regional e de desenvolvimento de políticas que apoiam a cooperação entre os governos, empresariado e organizações da sociedade civil. Nos últimos três anos disponibilizou mais 12 milhões de dólares em 15 países da comunidade de desenvolvimento da Africa Austral (SADC).

Saúde


Hospital da Matala será inaugurado em Novembro



O hospital Municipal da Matala, província da Huíla, será inaugurado em Novembro, informou hoje, o director provincial da Saúde, Bernabé Lemos.
Em declarações à Angop, o responsável revelou que as obras de construção da infra-estrutura hospitalar se encontram a cargo de uma empreiteira chinesa e estão já na recta final, na fase dos acabamentos e montagem de equipamentos.
Sem precisar os custos do projecto, Bernabé Lemos explicou que a unidade sanitária, de referência na região, terá uma capacidade para 50 camas e vai prestar serviços de medicina, pediatria, cirurgia e maternidade. A instituição vai funcionar com dez médicos de diversas especialidades, não tendo sido especificado o número de enfermeiros e pessoal administrativo.
O hospital municipal contará com um laboratório de análises clínicas, uma morgue, sistema autónomo de abastecimento de água potável e energia eléctrica, farmácia, sala de espera, área administrativa e contempla a construção de residências para albergar os médicos.
O município possui uma rede sanitária composta por 14 unidades, entre as quais um hospital na comuna de Capelongo, um Centro Hospitalar na sede, bem como 12 postos de saúde espalhados pela circunscrição, cujo funcionamento é assegurado por 109 enfermeiros e 21 técnicos de diagnóstico e terapeuta.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Petróleo


Novas concessões serão atribuídas para exploração



O ministro angolano dos Petróleos, José Maria Botelho de Vasconcelos, anunciou no Recife, Estado de Pernambuco (Brasil), que num futuro próximo novas concessões petrolíferas serão licitadas e atribuídas para exploração.

De acordo com a Angop. o governante angolano fez este anúncio por ocasião da realização na cidade do Recife de um seminário sobre Petróleo e Gás, organizado pelo Estado de Pernambuco e para o qual foi convidado a proferir o discurso de abertura.

Na sua intervenção, o ministro dos Petróleos explicou que não seria descabido afirmar que as oportunidades de investimentos e negócios se afiguram imensas, tendo em conta que novos campos foram descobertos em águas profundas e ultra profundas.

Botelho de Vasconcelos enfatizou que a previsão de investimentos nos diversos domínios do sector petrolífero angolano para os anos de 2010 e 2011 é de cerca de 16 mil milhões de dólares americanos e 18 mil milhões de dólares americanos, respectivamente.

Este seminário, considerado como o melhor evento de negócios do ano da indústria do Petróleo, tem como objectivo a inserção do Estado de Pernambuco no contexto da indústria petrolífera e naval mundial. Representa uma soberana oportunidade para revelar o seu potencial económico e as oportunidades de negócios que se oferecem aos investidores nos sectores de petróleo e da indústria naval.

Os trabalhos, iniciados ontem, terminam hoje (quarta-feira), por volta das 17 horas locais (21 horas de Angola). No arranque da conferência foram abordados temas como "Novas iniciativas no Sector Petróleo, Gás, offshore e Naval", "Incentivos Governamentais para a Instalação de Pólos Industriais" e o "Desenvolvimento Tecnológico e Capacitação de Mão de Obra em Pólos Globais". Hoje, o dia está reservado para uma abordagem dos temas "Logística como Factor de Competividade", "Mecanismos de Financiamentos", "Projecção da marca SUAPE - Casos de Sucesso" e a "Sustentabilidade da Integração do Pólo Industrial e de Turismo do Estado".

Segundo os organizadores, o evento tem como público-alvo empresas de bens e serviços especializados no fornecimento para a indústria de óleo, gás natural, offshore e naval, Instituições de financiamento e demais fundos de investimentos e Associações Nacionais e Internacionais relacionadas com o sector.



Economia

Governo aprova propostas de plano de Governo e OGE


O Conselho de Ministros aprovou hoje, em sessão ordinária, as propostas de Plano Nacional de Governo e de Orçamento Geral do Estado para 2010, revelou a Angop.

Na reunião, orientada pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, o governo foi informado sobre o estado de preparação da Taça de África das Nações Orange-Angola 2010.

Em análise estão ainda os contratos de arrelvamento de 15 campos de futebol para o CAN/2010 das cidades de Luanda, Cabinda, Benguela e Lubango, e de prestação de serviços de estudo e desenhos do estádio de futebol da província de Luanda. Durante o encontro, o órgão colegial do governo deverá debruçar-se ainda sobre o programa de relançamento do projecto Nova Vida, segunda fase, e sobre o relatório final do júri do Prémio Nacional de Cultura e Artes/2009.

Reconstrução

Governo projecta requalificação de zonas urbanas




O Governo da Província do Kwanza Norte encontra-se a trabalhar na avaliação das construções desordenadas erguidas nas imeadiações das zonas urbanas, visando a requalificação destas áreas e a criação de novos bairros.

Em entrevista hoje à Angop, o director provincial local do Urbanismo e Habitação, Erlindo Lidador, revelou que o sector está engajado no mapeamento das zonas abrangidas no plano, que vai abarcar a quantificação do número de habitações erguidas de forma desordenadas para uma posterior requalificação.

Segundo o responsável, o plano resulta da necessidade de melhoria da imagem das zonas urbanas, pelo facto de se constatar o surgimento de construções que degradam a estrutura arquitectónica das cidades.

Erlindo Lidador advogou que o sector está também a proceder estudos, com vista o reassentamento das populações que habitam nas áreas abrangidas pelo plano.

O responsável revelou que as zonas da província com construções erguidas de forma desordenada e abrangidas no plano de requalificação estão cadastradas como reservas fundiárias do Estado.

No quadro do mesmo programa, acrescentou, o governo provincial do Kwanza Norte tem um plano de auto-construção dirigida, em que cada cidadão interessado poderá requerer uma parcela de terreno para a construção da sua habitação dentro das políticas urbanísticas exigidas.

Energia

Luanda terá programa emergencial de energia eléctrica


Um programa de emergência para reforço da capacidade termoeléctrica de Luanda vai ser implementado entre Dezembro deste ano e Abril de 2010, proporcionando 200 megawatts de energia, com a entrada em funcionamento de quatro novas centrais, que poderão operar em regimes isolados.

A informação foi avançada segunda-feira, em Luanda, pela Ministra da Energia, Emanuela Lopes, durante um encontro com deputados da 7ª Comissão da Assembleia Nacional, acrescentando que os estudos para a materialização da iniciativa estarão concluídos e disponíveis ainda no final deste ano.





De acordo com a responsável, o plano prevê ainda reabilitar e modernizar a Central Hidroeléctrica de Cambambe, incluindo o alteamento da barragem, obra já em curso, para garantir maior fiabilidade e disponibilidade do empreendimento, assim como maximizar a sua capacidade de produção e viabilizar a construção da segunda central.

Segundo a Angop, está em estudo também um plano de reabilitação e reacondicionamento da Central Termoeléctrica do Cazenga, composta por cinco grupos de turbinas a gás, com objectivo de garantir maior rentabilidade daquele empreendimento energético, com cerca de 128 Mega watts de capacidade instalada.

O responsável informou que o Ministério da Energia tem projectos de construção do Sistema de Transporte de Energia Eléctrica a 400 kilovolts, Capanda/Lucala/Luanda, incluindo a ampliação da subestação de Viana e a construção da Subestação de Cacuaco, em Dezembro próximo.

No domínio da distribuição da energia eléctrica, a titular da pasta do sector explicou que o pelouro conta com planos de reabilitação e extensão das redes de Média Tensão e Baixa Tensão e a construção de 60/15 kilovolts.

A construção das novas redes de Baixa Tensão e Média Tensão vão abranger as zonas de Viana, Caop, Morro Bento, Boavista, Zango, Ramiros e Benfica. Já as subestações serão edificadas no Kinaxixe, Chicala (onde já opera uma subestação móvel provisória) e na Filda, assim como será ampliada a Subestação de Belas.

A 7ª Comissão da Assembleia Nacional aborda os assuntos inerentes à saúde, ambiente, acção social, emprego, antigos combatentes, família, infância e promoção da mulher.


Iniciativa

Camionistas promovem acção de sensibilização



A Associação dos Camionistas e Operadores de Máquinas de Angola (ACOMA) vai promover, em todo país, de Novembro a Dezembro, uma campanha de educação, prevenção e combate aos acidentes de viação.
Em declarações hoje à Angop, António Martins, presidente da organização, disse que durante a campanha, que arranca sexta-feira, em Luanda, serão distribuídos panfletos de aconselhamento a serem distribuídos na via pública ao longo das principais vias de comunicação rodoviários e locais de maior concentração de cidadãos.

Está ainda prevista a realização de palestras sobre "educação e prevenção de acidentes de viação", em empresas estatais e privadas, estabelecimentos de ensino académico, igrejas, mercados de entre outros locais. Durante o primeiro semestre deste ano, os acidentes de viação causaram, em todo país, cerca de 1.400 mortes.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Segurança

Laboratório de criminalística orçado em mais de 40 milhões de dólares






As autoridades policiais vão investir mais de 40 milhões de dólares norte-americanos para o apetrecho de meios técnicos e humanos do Laboratório Nacional de Criminalística, afecto à Direcção Nacional de Investigação Criminal (DNIC).

Em entrevista à Angop, o director da DNIC, comissário Eduardo Cerqueira, precisou que o investimento no Laboratório inclui o apetrecho de meios técnicos, formação de quadros, dentro e fora do país, deslocação dos instrutores, entre outros. A reabilitação do laboratório contempla cinco etapas que, após a sua conclusão, se tornará num dos melhores de África. "Quando se concluírem as cinco etapas, de apetrechamento e formação técnica, terá todas as condições para se tornar num dos melhores laboratórios de criminalística do continente e prestar colaboração aos demais países, fundamentalmente os da região Austral", frisou.

De acordo com o comissário Eduardo Cerqueira, caso não haja constrangimentos, o laboratório fica totalmente equipado entre 2011 a 2012.

O Laboratório Nacional de Criminalística é um órgão de apoio aos órgãos de investigação criminal e judiciais, que tem por missão determinar, através de peritagens, solicitações feitas por estes órgãos (tribunais e policiais) para que se reúnam provas com vista ao esclarecimento de crimes. O laboratório tem uma área de criminalística e medicina legal, com a missão de efectuar exames médicos forenses, autópsias, médico-legais, exames directos, genealógicos, psicossomáticos, entre outros.



Economia

FMI afasta cenário de recessão


O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que a economia de Angola cresça 0,2 por cento este ano e 9,3 por cento em 2010, afastando a anterior previsão de recessão, revela a agência portuguesa Lusa. A revisão em alta da previsão do FMI, apesar de mais positiva, ainda está bem longe dos números do Governo Angolano para este ano (6,1%).

A previsão do FMI para o continente africano é de um crescimento económico de 1,7 por cento em 2009 e de 4,0 por cento em 2010.



Comércio automóvel


Importação de viaturas diminui em 2009



A importação de viaturas para Angola, no segundo trimestre deste ano, baixou de 27.854 no primeiro trimestre para 27.738 no segundo, uma diferença de 116 veículos automóveis.
Segundo o Conselho Nacional de Carregadores (CNC), no seu boletim estatístico trimestral, a que a Angop teve acesso, durante o segundo trimestre de 2009 registou-se uma ligeira queda no total de entrada de contentores relativamente ao primeiro trimestre, apesar de ter subido o número de contentores de 40 pés. De uma maneira geral, houve uma baixa na importação de bens diversos. Durante o segundo trimestre entraram no país 67 mil e 545 contentores, contra os 68 mil e 225 registados no primeiro.
Quanto aos contentores de 40 pés, registou-se a entrada de 27.338 unidades, mais 1.456 que no primeiro período, enquanto os de 20 pés, entraram em Angola, no segundo trimestre, 37.193 unidades, menos 1.572 que no período anterior. Foram também registados 304 contentores frigoríficos de 20 pés e 2.690 unidades de 40 pés.
Referindo-se aos sectores, o alimentar foi o que mais mudança registou, em termos redução do volume de produtos importados, entre o primeiro e o segundo trimestre. Dados estatísticos apontam para um aumento nas importações de adubo (483, 90 porcento), nos açúcares de cana (71,73 %), no arroz (87, 68%) e nos cimentos (20,67%). Em sentido contrário, realce vai para a queda nas importações de cerveja de malte (-48,93%), nas carnes e miudezas frescas e congeladas (-19,00%), na farinha de trigo (-10,10 porcento).
A publicação do CNC serve de material de apoio às instituições governamentais como os ministérios das Finanças e da Economia, assim como para os agentes marítimos, no fornecimento de dados úteis.
O CNC é um órgão de apoio técnico do Ministério dos Transportes na coordenação e controlo das operações de transporte marítimo internacional e de auxílio institucional aos armadores e carregadores na procura de melhores condições para o exercício da actividade desses agentes. O porto de Luanda é o local do país por onde tramita a maior parte de viaturas importadas e de outros bens.


Sociedade

Mil e quinhentas casas para o Mussende


O consórcio angolano “Comandante Loy” está a projectar para o primeiro semestre de 2010 a construção de 1.500 casas sociais na sede municipal do Mussende, na província do Kwanza Sul. O projecto integrado contempla a construção de residências para antigos combatentes, veteranos de guerra, viúvas e órfãos.
O plano integra ainda a criação de um centro de formação comunitário, um centro de saúde, escolas, um mercado, um campo polivalente e outros serviços básicos. O lançamento da primeira pedra do projecto foi efectuado ontem pela ministra da Família e Promoção da Mulher, Genoveva Lino. Em declarações à Angop, a governante referiu que as residências, para além de virem a ajudar a melhorar as condições de habitabilidade das famílias, vão igualmente conferir uma outra imagem a localidade.
Presenciaram o acto de lançamento, o vice-governador para a Esfera Económica, Mateus de Brito, o Presidente do Consórcio, Domingos de Marros, responsáveis do Minfamu, da administração municipal, entidade tradicional, religiosas e populares.
O município do Mussende está a 310 quilómetros a nordeste da cidade do Sumbe, a sede capital da província, possui uma população estimada em 74 mil e 114 habitantes distribuídos pelas comunas Sede, Quienha e São Lucas.

Comércio

Belgas procuram parcerias


Uma delegação com mais de 33 empresários da Missão Económica e Comercial Belga está em Angola, com o objectivo de estabelecer parcerias para diversos sectores do mercado nacional.
De acordo com o Jornal de Angola, os responsáveis participaram no fórum Angola-Bélgica e manifestaram interesse em procurar oportunidades de negócios e parcerias nas áreas da indústria, construção e transportes, agro-índustria, saúde, arquitectura e organismos.




A ministra do Comércio, Maria Idalina Valente, referiu, por sua vez, que o interesse da comunidade empresarial revela a confiança que depositam em Angola. Lembrou que o povo angolano e o seu Governo continuam a oferecer as condições necessárias para atrair o investimento estrangeiro, em que a estabilidade política, a democratização, o processo de reconstrução e as medidas de revisão da política comercial (que visam exercitar a economia nacional ao ritmo das exigências do mercado internacional) são responsáveis pelo crescente interesse em estabelecer acordos comerciais bilaterais de países mais industrializados. A ministra confirmou que, no último semestre, se registou um aumento de pedidos. Acrescentou que Angola percebe que a motivação dos acordos seja gerada pela necessidade dos mercados alternativos, para sustentação destas economias numa altura de contracção.
As relações comerciais entre Angola, Benelux e principalmente Holanda e Bélgica, segundo a ministra, têm se traduzido desde 2004 num saldo positivo para Angola na balança comercial, como resultado da exportação de petróleo e da madeira em bruto.
No que diz respeito ao comércio, de uma forma geral, pretende-se dar continuação a acções que visam promover a produção nacional, as exportações de produtos processados e semi-processados no território nacional e o desenvolvimento dos sectores com vantagens comparativas e competitivas, utilizando por um lado a contínua formação e capacitação dos recursos humanos, a concepção de subvenção de políticas específicas e de incentivos fiscais às empresas comerciais, que mostram capacidade de financeira comercial para satisfazer a procura interna de bens e serviços com a qualidade exigida pelas normas internacionais. E, por outro, a eliminação das barreiras tarifárias e não tarifárias e a simplificação dos procedimentos de concepção de defesas de alvarás às empresas comercias e estações de serviço.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Economia

Relacionamento entre Angola e Coreia do Sul é excelente




As relações económicas entre Angola e a Coreia do Sul são excelentes, em função do aumento, nos últimos tempos, do intercâmbio comercial entre as duas nações, disse em Luanda, o diplomata sul coreano, Hon Jae-Young.
Em entrevista à Angop, o embaixador frisou que o volume das exportações sul coreanas para Angola, em 2008, foi de um bilião, 236 milhões e 651 mil dólares, superior ao registado em 2007, que foi de 173 milhões 667 mil dólares.
Hon Jae-Young disse que tal incremento se deve ao facto das empresas sul coreanas terem se prestado a construção de plataforma petrolífera em Angola nos últimos tempos.
Segundo o diplomata, a Coreia do Sul exporta para Angola viaturas, equipamentos electrónicos e materiais para plataformas petrolíferas e importa do país petróleo, peixe e outros produtos marinhos.
Disse que, em Agosto de 2008, se realizou em Seul uma reunião mista de comércio, promovida pela embaixada de Angola naquele país para atrair investimentos sul coreanos.
"Mais de 200 empresas Sul coreanas estão interessadas em investir em Angola participaram deste encontro", explicou.
Acrescentou que a participação destas empresas naquela reunião demonstra o interesse económico que a Coreia do Sul tem por Angola.
De acordo com o embaixador, em Angola já operam algumas empresas Sul coreanas tais como a Hunday vocacionada ao fabrico de veículos automóveis e outros serviços, a Namkwang Internacional na construção civil, Samsung no comércio geral e equipamentos electrónicos, Interburgo em peças, hotelaria, entre outras.
Sobre a implementação de relações diplomáticas entre ambos países em 1992 foram assinados neste domínio vários acordos técnicos e científicos.
Além desses, acrescentou, prevê-se assinar acordos nos sectores hidroeléctricos, industrial, mineral e de protecção e promoção recíproca de investimentos.
O embaixador concluiu que o seu país preconiza vários apoios para Angola nestas áreas, na perspectiva do país atingir um desenvolvimento económico e social sustentável.

Cidadania

Emitidos mais de 200 Bilhetes de Identidade em dez dias


Cerca de 239 Bilhetes de Identidade foram emitidos pelo Departamento Provincial de Identificação Civil e Criminal do Kwanza Sul, desde a inauguração do novo sistema de tratamento do documento na província, a 14 do corrente mês.

Em declarações à Angop, hoje, o chefe do referido departamento, Francisco Júlio Viagem, deu a conhecer que são emitidos, por dia, 47 novos documentos de identificação nacional. Segundo o responsável, o sistema de comunicações e de energia eléctrica está assegurado durante as horas normais de expediente, mas que o reduzido número de técnicos é a grande contrariedade ao desenvolvimento dos trabalhos.

Sublinhou ainda que a direcção central de Identificação Civil agendou para breve a formação de técnicos das províncias, estando contemplado na primeira fase, o Kwanza Sul.

Educação

Reforma do sistema reduz abandono escolar



A implementação do novo método de ensino e a reformulação dos conteúdos didácticos, no âmbito da reforma educativa em curso desde 2004, está a resultar no aumento dos índices de aproveitamento escolar e redução das taxa de abandono.

De acordo com o coordenador da Comissão para as Actividades da Reforma, Joaquim Cabral, em declarações à Angop, com os novos materiais e o novo sistema de avaliação, a taxa de reprovação passou de 32 por cento em 2004 para 22 por cento em 2008. Apesar dos constrangimentos encontrados, referiu que foi possível reduzir o índice de abandono escolar de 26 para 24 por cento, no período em referência.

“Isto se deve fundamentalmente à política da merenda escolar no ensino primário, um projecto que se está a expandir em todos os municípios das províncias”.





Joaquim Cabral informou que no início da reforma, a taxa de conclusão do ciclo de formação era de 42 porcento, estando actualmente estimada em 54. Para o responsável, estes indicadores são animadores pois, na implementação da reforma o Ministério da Educação tem enfrentado inúmeras dificuldades na transportação dos manuais, formação de professores e aumento do número de salas de aulas.

Outro aspecto de realce é a criação de espaços para aumentar o índice de alunos no sistema de ensino no país, prova disso é que em 2004 o sistema de ensino tinha 4.381.787 alunos, actualmente, a cifra é de 5.736 mil alunos (2008). Este ano houve um aumento de quase um milhão de alunos, registando-se um crescimento médio anual de 15 por cento.

Para acomapanhar esta evolução, a construção de novas salas de aulas passou de 19 mil salas (2002) para 50.516 espaços controlados em todo país (2008), o que representa um crescimento de admissão de novos alunos de 5 milhões 7336 mil 520 novos alunos no sistema.

Joaquim Cabral apontou como principais pontos de estrangulamento do processo, a dificuldade na localização de terrenos para a construção de escolas, principalmente nas cidades, citando o caso de Luanda, onde há problemas para encontrar espaço no município da Ingombota. Segundo ele, a não multiplicação das acções de formação, insuficiência de material pedagógico e de manuais escolares, a falta de transporte escolar, bem como a não generalização da merenda escolar em todas as escolas do ensino primário e a pobreza constituem igualmente constrangimentos.

Joaquim Cabral reconheceu que apesar dos esforços de expansão da rede escolar o país ainda regista um déficite de novas salas de aulas e de professores. Em termos de docentes referiu que a situação difere de região para região. “Luanda possui um excedente de professores, há vários no desemprego, mas há falta de professores formados em regiões como Malanje, Kuando Kubango e Uíge", informou.

Transportes


Companhia aérea Emirates aposta na rota de Luanda




A companhia aérea Emirates, do Dubai, deu início esta semana a uma nova rota, Luanda-Dubai, com três voos semanais, reflectindo a crescente procura desta ligação, que já conta com voos da companhia angolana, TAAG.

A Emirates fez o primeiro voo no domingo e os três semanais vão ser ainda às terças e quintas-feiras em avião Airbus, modelo A 330-200.

Sobre esta nova rota da Emirates, o ministro dos Transportes angolano, Augusto Tomás, apontou-o como um factor que vai "potenciar a aproximação e o desenvolvimento" dos dois países. "A notoriedade da Emirates e a sua preferência por Angola como um destino preferencial em África demonstra o imenso interesse que Angola desperta a nível mundial", disse o ministro.

Nigel Page, vice-presidente da transportadora para as Américas e África, explicou esta decisão da Emirates com o facto de o continente africano exercer uma cada vez maior atracção para a companhia aérea, sendo "uma região do mundo muito importante no que diz respeito à actividade comercial".

"A Emirates tem vindo a demonstrar que novas ligações aéreas estimulam os negócios, o que esperamos que venha a acontecer com Luanda, que é o nosso 18.º destino em África e uma das duas rotas anunciadas este ano. Este facto reflecte a relevância da nossa decisão ao lançar esta operação", afirmou ainda Nigel Page, citado na documentação fornecida pela empresa.

O Dubai é um dos destinos que mais cresceu nos últimos anos no sector do transporte aéreo angolano, não só na área empresarial, mas também porque aquele país tem vindo a ganhar cada vez maior relevo nas importações angolanas, nomeadamente no sector informal, com destaque para as viaturas em segunda mão, vestuário e ainda aparelhos electrónicos, como os telemóveis, computadores e televisores.

No passado mês de Julho, uma delegação angolana deslocou-se ao Dubai para analisar as potencialidades da região para os investimentos angolanos e as vantagens da abertura desta rota pela Emirates.

A companhia dos Emirados Árabes Unidos abriu a rota de Luanda depois de ter iniciado igualmente voos para a cidade sul-africana de Durban, a 01 de Outubro.

Durante o ano de 2009, antecedendo a chegada da Emirates, já a British Airways tinha duplicado os seus voos para Luanda, o mesmo sucedendo com a Lufthansa, e com a portuguesa TAP a passar igualmente de sete para 11 voos semanais.